Mulheres no SaaS: Arielle do Donut
By Natália Mrázová
| 11. maio 2022 |
Mulher no Saas - Outro
By N. Mrázová Natália Mrázová
| 11 maio 2022 |

    Mulheres no SaaS: Arielle do Donut

    Ilustração ArielleShipper Donut

    Entrar na tecnologia não é uma tarefa fácil. Saltar do mundo hierárquico do jornalismo para a terra caótica das startups vem com um fluxo interminável de surpresas e desafios que essa mulher enfrentou com desenvoltura.

    Como Head de Customer Operations do Donut, Arielle conquistou a liderança da empresa por meio de garra, versatilidade e excelência. Compartilhando o que aprendeu ao longo do caminho, ela nos lembra que humildade não é o oposto de confiança.

    Por favor, você pode se apresentar, dizer sua posição e a empresa em que trabalha?

    Olá, CloudTalk! Muito obrigada por compartilhar o microfone com as mulheres da tecnologia. Eu sou Arielle Shipper, Head de Customer Operations do Donut. Fui a primeiro funcionária e entrei três anos e meio atrás, então tive a sorte de passar por muitos cargos. Desde que entrei no Donut, fiz de tudo, desde sprints de produtos e lançamentos de imprensa até suporte ao cliente.

    blog imagem mulheres no saas

    O que a inspirou ou a levou a entrar no mundo das startups de tecnologia/área SaaS?

    Comecei minha carreira no jornalismo (impressa!) e, depois de alguns anos, senti que queria um ambiente mais rápido que acompanhasse as mudanças do mercado e a evolução da tecnologia.

    Meu irmão fez eu me interessar por essa coisa chamada startups e me apresentou para pessoas que compartilharam mais sobre suas experiências. Quando percebi as oportunidades existentes, nunca mais olhei para trás.

    Você estudou tecnologia? Você acha importante ter uma formação em tecnologia para conseguir um emprego em uma startup de tecnologia?

    Sou uma orgulhosa dona de um bom e velho diploma em artes liberais, e minha única educação formal em tecnologia veio na forma de cursos de educação para adultos em meio período que fiz como pós-graduada em desenvolvimento web front-end e análise de dados .

    Embora eu possa não ter aprendido a usar SQL ou os fundamentos de um negócio SaaS na faculdade, posso dizer que eu aprendi muitas outras habilidades úteis que têm sido fundamentais para a aquisição de habilidades relevantes para a tecnologia: como pensar de forma crítica e criativa, como fazer perguntas ponderadas, como aprender rapidamente e como se comunicar de forma eficaz.

    Acho que a educação em tecnologia – de qualquer tipo, não apenas um diploma de quatro anos – pode ser útil, principalmente para funções muito técnicas, como desenvolver de IA, mas não é o único caminho. Há muito pessoas incrivelmente talentosas e conhecedoras que são autodidatas ou que aprenderam no trabalho.

    Também é importante lembrar que engenheiros e cientistas de dados não são as únicas funções nas empresas de tecnologia. Elas são importantes, mas também são as equipes que trabalham no suporte ao cliente, vendas, marketing, design etc.! Uma empresa não pode funcionar com sucesso sem todas essas funções.

    Pensando na sua jornada e em como você chegou onde está hoje, há algo que você mudaria se pudesse?

    Que ótima pergunta! É um pouco difícil de articular, mas acho que a coisa que eu mudaria é ser menos respeitosa. O jornalismo era muito rigidamente hierárquico, o que gerou algumas tendências de ficar na minha área, o que tive dificuldade para superar. Nos anos seguintes, houve algumas questões de negócios ou metas que não insisti, ou salas às quais presumi que não pertencia, e isso provavelmente prejudicou meu crescimento às vezes.

    Eu continuo tentando me lembrar que humildade não é o oposto de confiança. Se eu abordar meu trabalho com um ethos orientador que inclua honestidade, dedicação e mente aberta, é o suficiente para me ganhar o direito de fazer perguntas, expressar opiniões e fazer sugestões.

    Que conselho você daria para o seu eu iniciante?

    Felizmente, eu não tive que dar a mim mesma. Enquanto eu estava aprendendo sobre o mundo profissional, começando no ensino médio e durante toda a faculdade, meu avô me deu dois conselhos que permaneceram comigo:

    #1: Se você não pedir, você não terá. Em outras palavras, você não pode esperar que o mundo lhe dê algo; você tem que pedir por isso. Peça com gentileza, peça criteriosamente e venha preparado com as razões apropriadas, mas não tenha medo de pedir.

    #2: As negociações mais bem-sucedidas são aquelas em que nenhuma das partes sai completamente satisfeita. Isso significa que o verdadeiro compromisso foi alcançado e não foi um acordo em que o vencedor leva tudo.

    Que tipo de impacto você sente ao trabalhar em uma indústria/ambiente dominado por homens?

    Tive a sorte de ter trabalhado para empresas que valorizam a inclusão de todos os tipos (não apenas com base em gênero), mas isso é em parte sorte e em parte agir com intenção. Durante os processos de entrevista, procurei empresas que reconhecem a existência de sexismo e racismo sistêmicos e se esforçam para criar locais de trabalho mais justos. Também procurei especificamente por liderança feminina dentro de uma empresa, o que é uma pista para as oportunidades de crescimento e orientação que podem estar disponíveis para mim como funcionária.

    foto Mulheres no SaaS: Arielle do Donut 2

    Não vou mentir e dizer que sempre tudo é lindo e maravilhoso. Eu tive meu quinhão de síndrome do impostor, momentos de incredulidade e de surpresa, mas tentei canalizar essas frustrações em patrocínio e abrir portas para outras mulheres ou pessoas sub-representadas na tecnologia – porque só veremos mudanças se diversificarmos os lugares na mesa.

    Você já se deparou com algum obstáculo que decorre da desigualdade de gênero?

    Eu definitivamente experimentei privilégios e desafios trabalhando em tecnologia. Um momento memorável: durante uma entrevista, o entrevistador olhou para o meu anel de noivado e disse algo como: “Vejo que você tem alguém cuidando de você em casa, então o salário não deve ser um problema”.

    Este não é o melhor, pior ou único exemplo de desigualdade de gênero, mas é um momento que teve um impacto profundo.

    Você vê falta de presença feminina na sua startup? Em caso positivo, como você acha que isso poderia ser mudado?

    Embora a diversidade de gênero seja apenas uma das métricas com as quais nos preocupamos, nossa líder de engenharia, líder de produto e head de customer operations (eu!) são todas mulheres – então não! Direi que não chegamos acidentalmente a esse tipo de representação feminina na liderança e na empresa em geral (o Donut é mais de 50% feminina). Dito isso, ainda temos um longo caminho a percorrer em termos de outras dimensões da diversidade.

    Investimos tempo e esforço em práticas de contratação inclusivas que valorizam todos os tipos de diversidade, não apenas de gênero. Também testemunhei muitos patrocínios no Donut e, apesar da nossa equipe ser pequena, um grupo de recursos para mulheres também foi muito útil para solicitar suporte e orientação quando necessário

    foto Arielle do Donut retrato

    O que você vê como o valor agregado de ter mais colegas de equipe femininas em uma empresa de tecnologia?

    O valor da representação nunca é exagerado. Ele afeta tudo, desde como um produto é desenvolvido até quais tipos de comportamentos sua cultura recompensa ou pune. Também tem um impacto profundo na trajetória de carreira.

    Há uma razão pela qual assistir a vice-presidente Kamala Harris ser empossada foi um momento tão importante. Muitas mulheres da geração millennial podem ter crescido ouvindo que podem fazer o que quiserem – inclusive estar na Casa Branca –, mas isso não se torna uma possibilidade até que alguém tenha conseguido. O trabalho não para por aí, mas esse momento de representação ainda é um marco importante.

    Como os companheiros de equipe do sexo masculino podem apoiar suas colegas do sexo feminino no crescimento profissional? E você tem a experiência em primeira mão com esse comportamento positivo?

    Ser um aliado. Reconhecer o próprio privilégio e usá-lo como alavanca para criar mudanças para os outros. Acho que isso se aplica a todos, mas é claro que esse é um passo crucial para criar um ambiente inclusivo para mulheres na tecnologia.

    Tive a sorte de experimentar alguns bons exemplos de aliança. Um exemplo recente: fiz uma entrevista informativa conjunta com um líder masculino do Donut e um candidato externo. Esse candidato era francamente condescendente e, de várias maneiras, deixou claro que achava que eu era irrelevante para a decisão em questão. Meu parceiro de entrevista reconheceu isso imediatamente após a entrevista, nomeou as maneiras específicas pelas quais elas foram insultantes e condescendentes, e se ofereceu para acompanhá-los (e até mesmo lhes dar algum feedback construtivo) para que eu não precisasse mais interagir com eles.

    Você tem uma recomendação de alguns livros/blogs/podcasts/mulheres inspiradoras ou organizações?

    Sim! Há tanta inspiração maravilhosa por aí, mas aqui estão três recursos importantes.

    Brené Brown é uma professora de pesquisa em vergonha, vulnerabilidade e coragem. Ela me inspirou a voltar para a terapia e foi uma grande fonte de inspiração quando passei para uma posição de liderança. Se preferir ler, confira The Gifts of Imperfection ou Dare to Lead. Se preferir ouvir, experimente o podcast Unlocking Us. E se você gosta de assistir, The Call to Courage é meu especial favorito da Netflix.

    Tressie McMillan Cottom é professora e socióloga que fala francamente sobre desigualdade, tecnologia e cultura. Thick and Other Essays foi finalista do National Book Award de 2019 e é uma análise lindamente escrita de raça, gênero e capitalismo que foi realmente reveladora. Sua conta no Twitter também é incrível de seguir.

    Roxane Gay, Lindy Nash, Kara Swisher, Austin Channing Brown – todas incríveis e dignas da sua atenção. Eu poderia continar por horas.

    Em termos de organizações, me ofereci como voluntária para o Wave, que oferece orientação para estudantes do sexo feminino e não binários que desejam ingressar na tecnologia. Conheci pessoas gentis, brilhantes, super inteligentes e determinadas através do programa e o recomendo para quem procura ajudar a diversificar a tecnologia.

    Caso você tenha perdido, aqui está outra história – Kelly da Coschedule

    ilustração das mensagens

    Iniciativa Mulheres no SaaS

    Você sabia que apenas 3% das mulheres dizem que uma carreira em tecnologia é a sua primeira escolha e apenas 5% dos cargos de liderança em tecnologia são ocupados por uma mulher? Com a nossa nova iniciativa – Entrevistas com Mulheres no SaaS, queremos inspirar mais mulheres a ingressar no campo e tecnologia do SaaS e combater preconceitos relacionados à tecnologia.

    A cada duas semanas, você pode esperar entrevistas com mulheres inspiradoras que decidiram seguir uma carreira no SaaS. No nosso próximo artigo, falaremos com Anna do Leadfeeder.