23. maio 2022 Blog

Mulheres no SaaS: Tereza do
Productboard

Mulheres no SaaS: Tereza do Productboard

Algumas semanas atrás, apresentamos o Mulheres no SaaS, nossas novas entrevistas quinzenais destinadas a jovens apaixonadas que consideram um futuro na indústria da tecnologia. Precisamos de mais mulheres na área. E precisamos ouvir mais sobre as mulheres que já deixaram sua marca.

Ao pedir a mulheres inspiradoras da esfera SaaS para compartilhar suas histórias, nossa esperança é acentuar as infinitas oportunidades que esta carreira oferece. Também queremos destacar os desafios que as mulheres enfrentam em uma indústria dominada por homens – e como não apenas enfrentar esses desafios, mas ajudar a torná-los cada vez mais obsoletos.

Compartilhando sua jornada conosco hoje está Tereza do productboard, uma empresa de software de gerenciamento de produtos. Uma trabalhadora inspiradora, Tereza aprendeu JAVA em seu tempo livre, iniciou a iniciativa Women at productboard e, com uma variedade de projetos paralelos focados no empoderamento feminino, ela é uma verdadeira impulsionadora de mudanças.

Olá Tereza, você pode se apresentar, dizer sua função e a empresa em que trabalha?

Olá! Primeiro, um salve para vocês e esta iniciativa. As mulheres são o máximo! Toda iniciativa como esta conta.

Meu nome é Tereza Macháčková, e eu construo equipes e lidero a marca de talentos do productboard. Além de aumentar minha própria equipe e estabelecer as principais operações de pessoas e processos de talentos, ajudei a escalar essa startup de tecnologia de 20 funcionários para 200 em dois anos.

blog tereza productboard

Também tenho meus projetos paralelos, como nosso primeiro círculo nacional Tcheco Lean In, mentoring as aprendizes do FemmePalette e capacitando as mulheres a aprender a codificar através do Reactgirls Praga. Além disso, ajudei a fundar a DisruptHR Praga, uma plataforma de troca de informações para profissionais de RH.

O que a inspirou ou a levou a entrar no mundo das startups de tecnologia/área SaaS?

Minha inspiração foram todas as pessoas que trabalham incansavelmente em um esforço para mudar o mundo enquanto se divertem e permanecem acessíveis. Ao ingressar em seus círculos, eles recebem e apoiam você ao longo do caminho.

Estou impressionada com todas as realizações inspiradoras que ajudaram a incentivar mais mulheres a entrar no campo da tecnologia. Quando me mudei para Praga, comecei a seguir mulheres que tentavam combater preconceitos, estereótipos de gênero ou construir comunidades, tudo para capacitar mais mulheres a alcançar grandes coisas. Fiquei impressionada com a comunidade tcheca Czechitas – enquanto trabalhava em Recursos Humanos em uma corporação, eu usava meu cartão de benefícios para o workshop de codificação em relação a aprender a codificar em JAVA.

Você estudou tecnologia? Você acha importante ter uma formação em tecnologia para conseguir um emprego em uma startup de tecnologia?

Eu não estudei tecnologia. E se tivesse, acredito que teria sido terrível. Mas eu acredito na correlação entre ter uma educação tecnológica e alcançar grandes realizações em programação.

Ainda assim, não ter formação em tecnologia não deve desencorajá-la; se você trabalhar duro, você definitivamente será capaz de aprender a codificar. Principalmente se você considerar todos os cursos gratuitos disponíveis, comunidades abertas… não há limitações se você realmente se esforçar.

blog tereza productboard

Qual foi o maior desafio para você ao entrar na área de tecnologia e como conseguiu superá-lo?

O que definitivamente tem sido uma experiência interessante para mim é que agora estou constantemente cercada por pessoas incrivelmente inteligentes e acessíveis, com suas origens em assuntos extremamente difíceis ou experiência massivamente impressionante no Vale do Silício. Eu geralmente me sinto como uma impostora ao lado deles – embora eu não tenha certeza se é apenas um sentimento, ou realmente uma resposta instintiva muito certa.

À medida que contratávamos mais e mais mulheres para o productboard, percebemos que nós, mulheres, podemos compartilhar sentimentos semelhantes. Às vezes, quando nos preparávamos para expressar nossas opiniões durante as reuniões, começamos pedindo desculpas por querer falar.

Caso você tenha perdido, aqui está outra história – Silvia do Slido.

Nossa resposta foi criar um grupo não formal voltado para mulheres chamado Women at productboard. Temos reuniões recorrentes onde tentamos apoiar umas às outras, capacitar umas às outros e combater nossos medos!

blog tereza productboard

Pensando na sua jornada e em como você chegou onde está hoje, há algo que você mudaria?

Eu me sinto muito abençoada e sortuda por estar onde estou hoje. Às vezes, sinto que tive muita sorte. Agora estou trabalhando duro em coisas que quero melhorar, apenas pequenas coisas como falar em público – o que, para mim, significa falar com mais de uma pessoa. Teria sido ótimo ter melhorado essas coisas mais cedo na vida. Mas pelo menos ainda estou tentanto sair da minha zona de conforto. Tem sempre um desafio e nunca fica chato.

Que conselho você daria para a sua versão que tinha acabado de começar?

Eu adoraria saber sobre codificação, Startup Weekends, possibilidades de hackathon e todas as comunidades muito antes. Isso teria sido fantástico! Então, meu conselho seria: “Ei Tereza, experimente o Codecademy! Conheça Veronika Gabrielová mais cedo na sua vida!” (Veronika é uma grande inspiração para mim. Anteriormente nossa coach da PyLadies e agora membro da equipe, gerente de engenharia do productboard.)

Você vê falta de presença feminina na sua startup? Em caso positivo, como você acha que isso poderia ser mudado?

Eu definitivamente vi, mas sinto que estamos trabalhando muito ativamente para mudar isso. O que realmente ajudou foi a contratação da primeira engenheira, que encaminhou algumas de suas ex-colegas, amigas da comunidade (como Pyladies), etc. E contratando nossa primeira gerente de produto, uma mulher incrível e inspiradora.

Agora estamos contribuindo ativamente com a comunidade apoiando vários projetos, como Reactgirls Praga ou Railsgirls, onde nossos programadores ensinam mulheres a programar. Também orientamos mulheres juniores por meio da plataforma FemmePalette, ajudando-as a atingir seus objetivos profissionais mais rapidamente.

Minha colega de SF e eu iniciamos o Women no productboard para trabalhar em iniciativas que atraíssem mais mulheres para se candidatarem à nossa empresa. E, recentemente, também iniciei o círculo tcheco Lean In! Nesse círculo, estamos comprometidas em capacitar todas as mulheres, criando uma cultura de apoio e inclusão, oferecendo oportunidades de networking, mentoria e desenvolvimento profissional – tudo isso ajuda a desenvolver, reter e aumentar o talento e a liderança femininos.

O que você vê como o valor agregado de ter mais colegas de equipe mulheres em uma empresa de tecnologia?

A monocultura é realmente ruim para os negócios. Se contratarmos mais mulheres para cargos de produto, design, engenharia e liderança, isso criará um ambiente de trabalho mais saudável. Já está comprovado que isso traz melhores resultados nos negócios; empresas de alto desempenho têm mulheres na alta administração.

Você precisa ter uma gama mais ampla de experiência e uma escala mais ampla de inteligência emocional para criar uma cultura inclusiva onde todos se sintam bem e capacitados para falar.

blog tereza productboard lisboa

Como os companheiros de equipe do sexo masculino podem apoiar suas colegas do sexo feminino no crescimento profissional? Você tem alguma experiência em primeira mão com esse comportamento positivo?

Meus incríveis colegas homens são todos super solidários. A maioria deles se juntou a mim e entrou em muitas das plataformas de mentoria mencionadas acima, ou concordou em se tornar coach no sworkshop ReactGirl. Isso realmente ajuda!

Eu definitivamente tenho muitos mentores homens. O primeiro foi Matej Matolin, que me apoiou na minha decisão de trabalhar no productboard. Há muitos, muitos mais.

blog tereza equipe productboard

Você pode recomendar algum material educacional/de leitura para mulheres que gostariam de entrar na área de tecnologia?

Claro! O que faço todas as manhãs é ouvir podcasts e audiolivros no Audible.

Tenho muitos livros favoritos, e muitas vezes releio muitos deles. Muito me ajudaram, principalmente em uma indústria tão masculina e radicalmente sincera (às vezes, sinto que parece uma indústria menos empática). Esses livros são Obrigado Pelo Feedback de Douglas Stone e Sheila Heen, Conversas Difíceis de Douglas Stone e Empatia Assertiva de Kim Scott.

Quando encontro algo realmente interessante ou extraordinário, faço anotações e as converto em posts de blog. Isso diminui minhas chances de esquecer. Você pode encontrar toda a literatura e podcasts que considero mais influentes aqui.

Na minha agenda, tenho uma reunião regular com a incrível e super educacional Khan Academy. E eu adoraria começar a frequentar o Toastmasters, então me deseje sorte para que eu consiga!

As pessoas que trabalham em startups geralmente são muito ocupadas. Como você gerencia seu equilíbrio entre vida profissional e pessoal? Você encontra tempo para projetos pessoais?

Ah, um consultor de design de produto muito impressionante de São Francisco disse: “Você se esforça ou vai para casa. Se você quiser causar impacto, você simplesmente não faz um trabalho das oito às cinco.”

Eu preciso ser apaixonada pelo que estou trabalhando, caso contrário, não trabalho nisso. E quando estou apaixonado por algo, não paro. Faço o que amo — e uma das coisas que amo no meu trabalho. Ainda consigo combiná-lo com outros projetos, como Lean In, FemmePalette, Les Mills, passeios a cavalo e viagens. Eu amo minha vida e amo trabalhar duro.

Caso você tenha perdido, aqui está outra história – Silvia do Slido

ilustração e-books

Iniciativa Mulheres no SaaS

Você sabia que apenas 3% das mulheres dizem que uma carreira em tecnologia é a sua primeira escolha e apenas 5% dos cargos de liderança em tecnologia são ocupados por uma mulher? Com a nossa nova iniciativa – Entrevistas com Mulheres no SaaS, queremos inspirar mais mulheres a ingressar no campo e tecnologia do SaaS e combater preconceitos relacionados à tecnologia.

A cada duas semanas, você pode esperar entrevistas com mulheres inspiradoras que decidiram seguir uma carreira no SaaS. Em nosso próximo artigo, falaremos com Zuzana Vancova, Head de Operations do minit.io.

CloudTalk