Viver em Praga como expatriado
By Quinn Malloy
| 13. maio 2022 |
Call Center - Trabalho remoto
By Q. Malloy Quinn Malloy
| 13 maio 2022 |

    Viver em Praga como expatriado

    Praga

    Você já pensou em trabalhar como expatriado? Dar esse passo pode ser a experiência mais incrível do mundo e a mais difícil. Mas a mágica acontece quando você sai da sua zona de conforto. Conseguir um emprego em um país estrangeiro geralmente é um ingresso para ser mais feliz e impulsionar sua carreira.

    Anna Korosi

    Anna Korosi

    Sou Anna Korosi, uma das representantes de suporte ao cliente do CloudTalk. Eu sou originalmente de Pittsburgh, Pensilvânia, uma cidade conhecida por suas muitas pontes e por ser o berço do Ketchup Heinz. Antes de deixar os EUA, eu trabalhava em restaurantes como confeiteira, mas decidi que precisava de uma mudança de carreira e ambiente – então me matriculei em um curso TEFL e me mudei para a República Tcheca.

    Há quanto tempo você mora em Praga?

    Me mudei para Praga em novembro de 2019.

    Por que você decidiu trabalhar e viver neste país?

    Mudar para um país europeu do nada sempre pareceu tão assustador e impossível, até que descobri que algumas pessoas que eu conhecia conseguiam chamar Praga de seu lar adotivo. Ao me mudar para cá, aprendi rapidamente o que é uma cidade amigável para expatriados.

    Por que você acredita que é ótimo trabalhar e viver por algum tempo em um país diferente?

    Apesar da maior parte da minha experiência até agora estar limitada devido à pandemia, sou muito grata pelos momentos divertidos e pelos desafios que pude aproveitar. Ter dificuldades com o idioma tcheco é uma das partes mais desafiadoras de se viver aqui, mas ter amigos – tanto expatriados quanto locais – com vários graus de experiência com o idioma tornou muito mais fácil aprender.

    Você descobriu algumas diferenças culturais ao comparar o país em que vive com sua própria cultura?

    Uma coisa sobre a qual fui avisada quando me mudei para cá foi que os tchecos não eram amigáveis com estranhos, pelo menos não da maneira que os americanos são. Fui aconselhada a não levar para o lado pessoal quando a mulher com quem você faz contato visual no tram não sorri para você e desvia o olhar timidamente, o que não é o que estou acostumada a ter vindo dos Estados Unidos. Exceções encantadoras à regra são as saudações verbais e despedidas de estranhos que parecem ocorrer apenas ao entrar e sair do elevador. Além disso, testemunhar carpas sendo massacradas do lado de fora dos supermercados durante o Natal foi uma experiência nova, digamos assim.

    O que atraiu você para o CloudTalk inicialmente?

    Tive o prazer e a sorte de ser contratada na CloudTalk algumas semanas após o início do primeiro lockdown em Praga, depois de passar meses procurando por uma vaga de professora de inglês – que foi o motivo original para me mudar para o exterior. Eu não tinha nenhuma experiência em um ambiente profissional desse tipo após a última década trabalhando apenas em cozinhas, mas estava animada com a oportunidade de começar em uma empresa jovem com espaço para crescimento. Em pouco menos de um ano na CloudTalk, pude ter muitas responsabilidades diferentes que me permitem ver o funcionamento da empresa de várias perspectivas.

    Agora, depois de algum tempo, o que você mais valoriza na CloudTalk?

    Uma das coisas que mais valorizo na CloudTalk é a forma respeitosa como sou tratada pelos meus colegas e superiores. Eu senti que minhas necessidades sempre foram consideradas, desde que comecei.

    É difícil manter contato com todos os seus colegas de equipe quando você trabalha em um país diferente?

    Sinto que a tecnologia que usamos me permite colaborar com sucesso com meus colegas, que moram em lugares da Espanha às Filipinas. Estou ansiosa para poder viajar novamente para que eu possa finalmente encontrar meus companheiros de equipe na Eslováquia. Estou trabalhando com eles desde abril!

    Qual é o melhor cenário de longo prazo para você? Trabalho total remoto, híbrido ou trabalho total no escritório?

    Por mais que eu ame poder trabalhar com calças confortáveis, o gato que adotei em novembro provou ser um companheiro de trabalho muito barulhento e perturbador, então estou ansiosa para voltar ao escritório pelo menos alguns dias por semana.

    Se você tivesse que escolher uma frase sobre como é viver em Praga como expatriado, qual seria?

    Mude para algum lugar com castelos e smažený sýr!

    Inovação, transformação e colaboração fazem o seu nível de adrenalina subir?

    Chris Hoang

    Chris Hoang

    Nasci e cresci na bela e ensolarada Los Angeles, Califórnia. Eu cresci assistindo os Lakers quando criança e ainda torço para eles até hoje. Alguns anos depois, me mudei para Santa Bárbara, Califórnia, para cursar na UCSB. Lá, me formei em Ciência Política/Relações Internacionais. Após a formatura, passei algum tempo viajando pela Europa e acabei me mudando para Praga para cursar na Charles University.

    Há quanto tempo você mora em Praga?

    Estou em Praga desde setembro de 2015.

    Por que você decidiu trabalhar e viver neste país?

    Eu originalmente vim para um mestrado em Estudos de Segurança Internacional. No entanto, decidi ficar porque me apaixonei por esta cidade.

    Por que você acredita que é ótimo trabalhar e viver por algum tempo em um país diferente?

    Eu gosto de viver em um país diferente porque você pode conhecer pessoas de todo o mundo. Por conta disso, você aprende novas perspectivas que, de outra forma, passam despercebidas. Também é um desafio sair da sua zona de conforto, afastando-se da rotina à qual você pode ter se acostumado em casa. Isso faz você reavaliar suas capacidades e limitações.

    foto Praga

    Você descobriu algumas diferenças culturais ao comparar o país em que vive com sua própria cultura?

    As pessoas são um pouco mais reservadas, mas isso não significa que elas sejam de alguma forma más. As pessoas em casa são muito mais amigáveis desde o início.

    O que atraiu você para o CloudTalk inicialmente?

    O principal motivo é que era uma startup e a oportunidade de crescer com a empresa era notável. Meu encontro inicial com o CloudTalk foi ótimo e senti que havia potencial. Eu tinha razão.

    Agora, depois de algum tempo, o que você mais valoriza na CloudTalk?

    Valorizo a confiança e o ambiente de união que estabelecemos. Estou confortável sabendo que as pessoas com quem trabalho também podem ser consideradas amigas.

    Se você tem essa experiência, pode dizer como é trabalhar para uma empresa maior em comparação com uma startup?

    Trabalhei para uma grande empresa (Enterprise Holdings) em Los Angeles e posso dizer com segurança que certamente há uma grande diferença. Havia muito microgerenciamento, o que, por sua vez, aumentava uma pressão desnecessária sobre os funcionários. Além disso, você começa a sentir que é você versus a gerência, quando a realidade é que todos devemos trabalhar juntos para estabelecer um ótimo ambiente de trabalho.

    É difícil manter contato com todos os seus colegas de equipe quando você trabalha em um país diferente?

    Não, não é difícil, pois temos vários canais de comunicação. Se e quando a pandemia acabar, gostaria de viajar para o escritório novamente.

    O trabalho remoto se tornou a norma para todos nós da CloudTalk. Você descobriu algo novo sobre si mesmo enquanto trabalhava remotamente?

    No começo, não gostei porque senti que precisava estar fisicamente no escritório. Mas passei a gostar de WFH e me sinto bastante confortável. Ambos têm prós e contras.

    Qual é o melhor cenário de longo prazo para você? Trabalho total remoto, híbrido ou trabalho total no escritório?

    Para mim, o ideal seria o modo híbrido.

    Se você tivesse que escolher uma frase sobre como é viver em Praga como expatriado, qual seria?

    Eu gosto de conhecer pessoas afins com origens semelhantes. Embora possamos vir de diferentes países ou cidades, acredito que tendemos a ter uma visão internacional.

    Inovação, transformação e colaboração fazem o seu nível de adrenalina subir?