17. maio 2022 Blog

Mulheres no SaaS: Kinga da Brainy
Bees

Mulheres no SaaS: Kinga da Brainy Bees

Perseverança personificada, esta proprietária de empresa tem centenas de projetos para empresas de SaaS em seu currículo – todos realizados em apenas dois anos. Um verdadeiro testemunho do que pode ser feito ao enfrentar a mudança de cara, a mulher que estamos apresentando hoje ainda não atingiu 30 anos, mas ela está agitando o mundo da tecnologia como uma profissional experiente.

Fundadora da agência de marketing de conteúdo e relações públicas Brainy Bees, Kinga percorreu muitos caminhos. Tendo passado anos trabalhando em agências de publicidade, ela sabia que podia fazer mais. Agora, com uma equipe totalmente feminina por trás dela, ela está provando que mulheres e tecnologia andam de mãos dadas.

Por favor, você pode se apresentar, dizer sua posição e a empresa em que trabalha?

Hey! Meu nome é Kinga Edwards e sou a fundadora e proprietária criativa da Brainy Bees, uma agência de marketing de conteúdo e relações públicas que trabalha principalmente para empresas SaaS. Comecei a empresa em agosto de 2018 e, desde então, concluímos centenas de projetos para negócios SaaS em todo o mundo. Eu consegui construir uma grande equipe, mas também estou com todos envolvidos 100% – porque a Brainy Bees é minha filha.

O que a inspirou ou a levou a entrar no mundo das startups de tecnologia/área SaaS?

Comecei a trabalhar com marketing aos 16 anos, então acredito que o marketing sempre esteve no meu sangue. No entanto, eu sabia que sempre poderia fazer mais.

Depois de anos passados em agências de publicidade, eu queria me tornar freelancer, então ajudei alguns aplicativos mobile e negócios na aquisição de clientes. Eu também trabalhei para a filial de marketing da Universidade de Cambridge enquanto morava na cidade por algum tempo. Então consegui um emprego de meio período em uma empresa de SaaS e comecei a construir outra rede mais relacionada a SaaS.

Toda a jornada em torno de conteúdo e relações públicas foi tão empolgante e satisfatória para mim que decidi construir um ramo de consultoria separado para isso, o que acabou sendo a melhor decisão da minha vida.

Você estudou tecnologia? Você acha importante ter uma formação em tecnologia para conseguir um emprego em uma startup de tecnologia?

A minha abordagem aos estudos é bastante aberta. Na verdade, estudei Relações Internacionais e depois Marketing no meu mestrado – embora não ache que tenham contribuído muito para o meu trabalho atual. Se eu fosse escolher meus estudos agora, escolheria inglês ou alemão. Por outro lado, meus estudos não exigiam muito tempo e eu poderia facilmente combiná-los com o trabalho, o que foi muito útil para construir minha experiência profissional e portfólio.

Qual foi o maior desafio para você ao entrar na área de tecnologia e como conseguiu superá-lo?

Dar os primeiros passos de bebê! Tudo era novo, desconhecido e poderia ser complicado, mas emocionante! É algo como entrar em um labirinto; há muitos caminhos que você pode tomar, alguns deles o aproximarão da saída, outros o farão vagar perdido, mas no final você chegará lá. Não há como superar desafios além de ir fundo e ter sede de mais conhecimento.

Pensando na sua jornada e em como você chegou onde está hoje, há algo que você mudaria se pudesse?

Acredito que tudo acontece por uma razão, então todas as coisas ótimas, boas, ruins e terríveis me tornaram a pessoa que sou hoje e levaram meu negócio para o lugar exato que deveria estar. Se eu mudasse um pequeno elemento da minha jornada, algo poderia ter acontecido de forma completamente diferente e eu estaria em outro lugar agora.

Essa é uma das lições que aprendi: Se você falhar, você falha por um motivo e aprenderá uma lição que só o tornará mais forte, mais consciente e simplesmente melhor. Se você continuar tendo sucesso, no entanto, não fique complacente, mas continue trabalhando para ser melhor, fornecendo mais valor e melhorando seus serviços.

Eu disse a mim mesma que assim que me sentisse esgotada, me afastaria do negócio. No entanto, estou aqui há mais de dois anos e minha cabeça ainda está constantemente explodindo com novas ideias.

Que conselho você daria para a sua versão que tinha acabado de começar?

Não tenha medo de mudanças. Elas também acontecem por um motivo, e você não tem ideia de como elas podem ser realmente boas para você se você as enfrentar da maneira certa.

Que tipo de impacto você sente ao trabalhar em uma indústria/ambiente dominado por homens?

Na verdade, sinto apoio e grande apreço. A comunidade SaaS é como uma família. Ao contrário de muitos setores, aqui é difícil se ofender quando a negatividade é substituída pela crítica construtiva. O feedback desfavorável pode derrubá-la com força, mas no final do dia você é grata por isso, pois isso a ajudará a melhorar.

É uma indústria dominada por homens, sim, mas também é muito analítica e orientada a dados, então não há misericórdia ou arco-íris e borboletas aqui. O feedback mútuo pode ser muito direto e direto ao ponto, que é onde o poder e a determinação femininos ganham vida. Se alguém me disser que não posso fazer algo, responderei “segure minha cerveja” em vez de desistir.

Você já se deparou com algum obstáculo que decorre da desigualdade de gênero? Você foi capaz de superá-los?

Sou realmente abençoada por trabalhar com negócios SaaS porque não encontrei nenhum obstáculo significativo a esse respeito. As pessoas que trabalham com SaaS pensam globalmente e se comportam globalmente, e é um ambiente muito unido, mas orientado para os negócios e elegante. Também trabalhamos com clientes SaaS que não têm nada além de respeito por suas funcionárias e apoiam totalmente seu desenvolvimento. Eu quero acreditar que toda a indústria se parece com isso.

Apenas 3% das mulheres dizem que uma carreira em tecnologia é a sua primeira escolha. Por que você acredita que trabalhar em uma startup de tecnologia ou SaaS é uma boa carreira?

É extremamente desafiador e há tantas coisas que continuam mudando, estão sendo implementadas ou são totalmente removidas da noite para o dia. Você precisa ficar atento a tudo e ter olhos na parte de trás da cabeça o tempo todo. Às vezes pode parecer exaustivo, mas tão emocionante! Especialmente quando você libera algum potencial em atividades que não experimentou antes. Você pode descobrir algumas novas maneiras de alcançar seu público ou ter uma ideia incrível que definitivamente precisa seguir, mesmo que sejam 2 da manhã (honestamente, isso aconteceu comigo algumas noites atrás e o resultado foi ótimo!). Trabalhar com SaaS/tecnologia é desafiador, divertido e está empurrando os limites o tempo todo.

Você vê falta de presença feminina na sua startup? Em caso positivo, como você acha que isso poderia ser mudado?

Somos todas mulheres na Brainy Bees. 🙂 Para ser justa, não foi a intenção, mas foi assim que acabou sendo! Algumas pessoas ainda estão realmente surpresas – ou duvidosas – que mulheres jovens (nem na casa dos 30 ainda!) possam lidar com conteúdo técnico, trabalhando em CRO ou alguma coisa nerd para casas de software. Mas nós fazemos, e nós absolutamente amamos isso. Eu gostaria de poder ver mais mulheres arrasando no palco SaaS.

O que você vê como o valor agregado de ter mais colegas de equipe mulheres em uma empresa de tecnologia?

É difícil descrever, mas acho que a empatia das mulheres e a capacidade especial de enfrentar a tempestade é insana. Acho que somos mais calmas e podemos enfrentar crises, situações desagradáveis e problemas melhor e muitas vezes de forma mais profissional, deixando as emoções de lado. Colegas de equipe podem adicionar esses ângulos extras a qualquer projeto, então sempre encorajei outras pessoas a contratar mulheres e continuarei a fazê-lo.

Como podemos apoiar colegas mulheres a crescer profissionalmente? E você tem experiência em primeira mão com esse comportamento positivo?

Infelizmente, eu não tinha muitos exemplos a seguir neste campo, então eu mesmo tive que definir o padrão. Lembro-me da minha experiência de trabalhar em Cambridge, onde a cultura de trabalho e a abordagem da diversidade eram algo incrível de se ver, e estou tentando cultivá-la em minha própria organização.

O que você recomendaria para as mulheres que gostariam de entrar na área de tecnologia? Algum material educacional que você gostaria de sugerir também?

Não sou muito fã de iniciativas “só para mulheres”, pois, na minha opinião, muitas delas apenas destacam as fronteiras ainda visíveis entre mulheres e homens. Encare tudo normalmente. Leia livros de negócios “normais” para trabalhar em sua vantagem competitiva.

Quanto aos livros, sugiro dar uma olhada:

Para fins de conteúdo, sugiro They Ask, You Answer.

Aprenda com os melhores do seu setor e não se preocupe se eles não forem mulheres! Se queremos agitar uma indústria dominada por homens, não podemos ficar presos em uma bolha exclusivamente feminina. 🙂

As pessoas que trabalham em startups geralmente são muito ocupadas. Como você gerencia seu equilíbrio entre vida profissional e pessoal? Você tem tempo para alguns projetos paralelos/projetos pessoais?

O equilíbrio entre vida profissional e pessoal é extremamente importante e eu só percebi isso depois de anos trabalhando a noite toda e me apressando como se não houvesse amanhã. Ainda haverá mais trabalho a fazer no dia seguinte, e você precisa estar descansado, não estressado ou morto de cansado. 😉

Acima, mencionei “segurar minha cerveja” e disse isso em parte porque estou me interessando cada vez mais pela cerveja artesanal. Nós até fizemos nossa primeira cerveja caseira recentemente, então não se surpreenda se um dia você vir Brainy Beers em sua loja!

Caso você tenha perdido, aqui está outra história – Mariana da noCRM

Iniciativa Mulheres no SaaS

Você sabia que apenas 3% das mulheres dizem que uma carreira em tecnologia é a sua primeira escolha e apenas 5% dos cargos de liderança em tecnologia são ocupados por uma mulher? Com a nossa nova iniciativa – Entrevistas com Mulheres no SaaS, queremos inspirar mais mulheres a ingressar no campo e tecnologia do SaaS e combater preconceitos relacionados à tecnologia.

A cada duas semanas, você pode esperar entrevistas com mulheres inspiradoras que decidiram seguir uma carreira no SaaS. Em nosso próximo artigo, falaremos com a Jessica da Integromat.

CloudTalk